produção de texto escola professor

A importância de criar situações autênticas para a produção de texto

Nenhum comentário

É um grande desafio achar situações interessantes para fazer os alunos escreverem um texto autêntico com um contexto real a fim de promover a produção de texto. Às vezes, eles precisam escrever uma redação a respeito de um tema imposto e sem conexão com o momento atual em que estão e isso não é apropriado para engajar os jovens, nem para motivá-los e tampouco para melhorar a sua escrita. Ao contrário, quando um aluno não é motivado e não vê sentido no que ele precisa produzir, ele se desestimula cada vez mais e desenvolve uma aversão às vezes até irreversível à escrita, ou pior ainda, ao idioma de forma geral.

Como fazer então para que isso não aconteça? Um bom professor, seja ele professor de língua materna ou estrangeira, está constantemente na busca de cenários autênticos para escrever um texto. Em seguida, descreverei um exemplo da minha prática em sala de aula que deu certo principalmente quanto ao engajamento dos alunos na hora da produção de texto:

Os alunos do Ensino Médio da escola em que trabalho saem durante um mês para um estágio no mercado de trabalho. Eles aprendem os conceitos básicos do dia a dia, por exemplo, numa agência de marketing, num hospital, na câmera de comércio de algum país ou num escritório de advocacia, de preferência passando por vários setores da empresa ou instituição. Para eles não ficarem sem contato nenhum com a língua alemã durante todo esse tempo, dei a seguinte tarefa a eles:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Eles me mandaram os e-mails e eu lhes respondi, às vezes querendo saber mais sobre um ponto específico que eles colocaram no texto. Como exemplo, um aluno enviou a seguinte frase: “As pessoas do hospital onde eu trabalho às vezes não se respeitam. Isso me deixa bastante abalado.” Eu perguntei de volta: “Você poderia esclarecer um pouco mais: Quem não respeita quem? Um dos médicos não respeita os funcionários ou os pacientes não respeitam as enfermeiras ou vice-versa?” O aluno me explicou que ele observou em algum momento que o anestesista não deu atenção a um paciente que estava com frio e com isso o paciente ficou sem cobertor ou casaco.

Com essa conversa por e-mail eu consegui atingir três objetivos:

(1) Reflexão

Os alunos fazem uma reflexão a respeito do próprio estágio, a qual precisam fazer de qualquer forma no final do período, mas desta forma praticam, além da versão em Português, também a língua alemã;

(2) Treino

Eles treinam o gênero de texto do e-mail na prática, o que os prepara para os testes finais do Ensino Médio, no caso deles para o diploma internacional, como também para qualquer prova que envolva redações que demandam que o aluno escreva um texto utilizando o gênero de texto e-mail;

(3) Comunicação

Eles percebem que a língua é utilizada para a comunicação real entre indivíduos, o que é muito mais importante que o mero estudo das estruturas linguísticas. Em primeiro lugar, nós utilizamos as palavras para trocar ideias, e não para falar sobre a pontuação certa ou errada no final de uma frase.

Vale a pena lembrar que em alguns momentos faz sentido olhar especificamente para questões de ortografia ou gramática, mas isso só em situações onde o uso errado de regras dificulta ou até impossibilita a compreensão completa da mensagem. Um exemplo da prática: se eu tiver dez convidados para o jantar no fim de semana, vai ser ótimo, pois o bacalhau já vem cortado direitinho! Será?

bacalhau

Para finalizar, só mais uma observação: a idade dos alunos não importa. Existem cenários autênticos para a produção de texto para qualquer faixa etária. Com um pouco de criatividade e preparação antes do início da aula nós conseguimos arranjar inúmeras situações interessantes para os alunos se envolverem com a escrita a respeito de assuntos pertinentes que agregam valor real às suas vidas. Você concorda? Já colocou em prática outros cenários autênticos para a produção de texto? Compartilhe suas ideias!

 

***

Andreas Panse é suíço e mora no Brasil desde 2005. Formado em Pedagogia pela Universidade de Zurique, atua como consultor pedagógico na Escola Suíço-Brasileira. Leia mais…
Compartilhar

Deixe uma resposta